ARTIGOS

Vale a pena investir no futebol no Brasil

Autor: Dayan Daniela da Rosa Luzzoli - Data: 30/01/2012

 

Dayan Daniela da Rosa Luzzoli

Advogada, consultora esportiva e empresária de atleta de futebol.

 

O futebol profissional no Brasil é o esporte mais assistido e acompanhado pelos brasileiros. Apesar disso, é difícil encontrar dentro do País uma Associação Desportiva ou um Clube que não esteja passando por inúmeras dificuldades financeiras, pois um Clube de Futebol hoje, não sobrevive apenas com as receitas habituais, tais como: direito de transmissão das partidas, bilheteria etc. Por isso, é cada vez maior a busca por investidores como fonte adicional de receita, e, também, para que aumente a competitividade de suas agremiações e times nos campeonatos que são participantes.

Devido a sua importância no cenário nacional, o Futebol não pode mais ser reconhecido como mero entretenimento, mas sim como um forte setor de captação de recursos, investimentos e geração de empregos diretos e indiretos. As cifras no País na produção de craques são elevadíssimas, podendo citar como exemplo, o caso Ronaldo Fenômeno: conforme fora divulgado no IOB – TC (2001, p. 5) em 1992 o jogador fora comprado pelo Cruzeiro de Minas Gerais por US$ 45 mil e vendido ao Barcelona por um valor estimado de US$ 28 milhões, e, após, ao Internazionale de Milano por US$ 34 milhões.

Entretanto, muito se tem a fazer e investir neste mercado no país, pois quando se fala em geração riquezas, a participação brasileira no cenário mundial é de apenas 1%. Conforme o trabalho realizado pela auditora Crowe Horwath RCS, o faturamento com o futebol no Brasil saltará de R$ 1,9bi para R$ 3bi em 2014. Tal projeção, consta do estudo do “valor das marcas dos 12 maiores clubes de futebol do Brasil – 2009; leva em conta um crescimento de 76% no faturamento com transferências de atletas entre 2008 e 2014; o valor das cotas de TV e novas mídias deve subir 77%, enquanto a exploração de marca deve ter uma evolução na receita de 128% no período”.

A Crowe Horwath RCS afirma, ainda, que a receita de bilheteria no futebol registrou um salto de “245% entre 2003 e 2008, enquanto aquela proveniente de patrocínios e publicidade aumentou 194% no mesmo período”.

Portanto, os próximos anos serão extremamente favoráveis ao mercado futebolístico, sendo um caminho extraordinário para as empresas faturarem alto. E o empreendedor que visualizar isso com cerelidade investindo de forma estratégia e planejada, com certeza terá sucesso e muita rentabilidade no caminho até Copa de 2014, pois acima de tudo trabalha-se aqui com a paixão do torcedor.

 

BIBLIOGRAFIA

CARUSO, Geancarlo Borges. Curso de Direito Desportivo Sistêmico.  vol II. São Paulo: Quartier Latin do Brasil, 2010, p. 496.

MACHADO, Rubens Approbato et alii. coordenação. Curso de Direito Desportivo Sistêmico. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

http://pt.uefa.com/uefa/footballfirst/protectingthegame/clublicensing/news/newsid=1453137.html

http://www.finincorp.com/finincorp/index.php?option=com_content&view=article&id=56:futebol&catid=39:futebol&Itemid=99

http://economia.ig.com.br/mercados/futebol+deve+faturar+r+3+bi+em+2014+preve+estudo/n1237624338876.html