NOTÍCIAS

Alguém falou em mútuo conversível! Ok, o que é um mútuo conversível?

Fonte: STARSE - Data: 13/09/2016

Você vai, arruma aquela conversa com um investidor e se prepara. Se prepara mais do que para o date que arrumou no Tinder...

 
POR  EM 10 DE SETEMBRO DE 2016
 
Foguete de dinheiro

E daí chegou o seu dia, você vai brilhar, fone de ouvido bombando, pronto para entrar na reunião, empreendedor nato, antenado, mente aberta, otimista, realizador, autodeterminado, inovador, original, diferente, com valores, com propósito e cheio de progresso* decidiu que era hora de arrumar um investidor.

* Adaptado das 11 palavras que a PEGN usa para definir o empreendedor nato

 
 

Não confunda nato com nata

Você vai, arruma aquela entrevista com um investidor famoso e se prepara. Se prepara mais do que para o date que arrumou no Tinder.

Você já tem o seu valuation Pre Money e Post Money, o Benchmarking para provar que seu produto é melhor, sabe de cor e salteado seu Burn Rate, tem certeza que vai atingir o seu Break Even em 3 meses, por milagre atua no B2B e no B2C e já definiu o CEO, o CFO, o CTO, o CMO, o FDP e o CHRO.

E daí, no meio da reunião, o investidor fala que gostou de você, que quer investir no seu negócio, que vocês estão prontos para um mútuo conversível.

Você aceita uma dívida conversível em participação societária?

E daí bate aquele frio na barriga, você animado, inebriado com o que acabou de ouvir, quer ligar pra sua mãe para contar tudo. Mas você para, coça a cabeça e pensa: “O que diabos é um mútuo conversível?”

Pois bem, mútuo conversível nada mais do que um instrumento super comum utilizado para aportar recursos numa empresa.

Tá, mas exatamente o que ele é?

Tudo depende da criatividade do seu advogado, mas, normalmente, o mútuo conversível é um empréstimo do investidor para a empresa que dá ao investidor a possibilidade de adquirir uma participação na sociedade quando essa dívida não for paga (e o mais normal é que ela não seja).

Essa participação pode ser fixa (eu te dou 1000 reais e você me dá 10% da sua empresa no futuro), pode ser variável (eu te dou 1000 reais e, na próxima rodada eu ganho um desconto no valuation, por exemplo) ou pode ser criativa (vamos inventar algo novo?).

Além disso, dependendo do investidor, a participação pode obrigar a empresa a se transformar numa S.A. (o mais comum, por modismo) ou pode aceitar que a empresa continue a ser uma Limitada.

O que deve ficar bem claro é que o mútuo conversível é uma maneira de o investidor colocar o dinheiro na empresa e viabilizar o negócio, enquanto ele fica observando de longe  o seu desenvolvimento (sem entrar na sociedade), sem ter riscos trabalhistas e tributários, esperando para ver se vale a pena entrar na sociedade.

Leia notícia na íntegra